7 ótimas razões para assistir Atypical, a nova série original da Netflix

Atypical mostra os desafios de Sam Gardner, um jovem com Transtorno do Espectro Autista, em busca de sua primeira namorada e como isso afeta o relacionamento com a sua família, psicóloga e seu melhor amigo Zahid. Apesar de algumas comparações com 13 Reasons Why, a série trata de um assunto sério com leveza e bom humor. Confira 7 razões para assistir Atypical, a nova série original da Netflix, com 8 episódios de 30 minutos e é perfeita para maratonar!

NÃO contém spoilers! 😉

  1. Episódios de 30 minutos

Sabe aquela série leve, que te faz sorrir e você nem vê o tempo passar? Atypical é ótima para maratonar no final de semana ou alternar com aquela série mais pesada. Mas não se engane, a trama e os relacionamentos entre os personagens vão te fazer refletir.

  1. Autismo com sensibilidade

Sam (Keir Gilchrist), diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista de alto rendimento ainda criança, é muito inteligente e analítico, além de ser fascinado pela Antártida e apaixonado por pinguins. Julia (Amy Okuda), sua psicóloga, o encoraja a explorar seus sentimentos e encontrar uma namorada. Mesmo sofrendo bullying e preconceito, Sam conta com o apoio da família e amigos e, em diversos momentos, a série quebra paradigmas e mitos sobre o transtorno, mostrando que pessoas com o diagnóstico podem ser carinhosas, compreensivas e ter uma vida normal.

via GIPHY

  1. Família e seus desafios

Doug (Michael Rapaport) é um pai distante, que não consegue se relacionar com Sam como gostaria e acaba sendo mais próximo de sua outra filha, Casey. Já Elsa (Jennifer Jason Leigh) é uma mãe extremamente dedicada, que frequenta um grupo de apoio para pais autistas e o porto seguro do filho. Tudo isso muda quando Sam decide começar a namorar e o pai acaba se tornando seu grande conselheiro. Casey (Brigette Lundy-Paine), que tem um jeito próprio de ser carinhosa e protetora com o irmão, é muito focada e também começa a descobrir a paixão, mas de uma forma diferente de Sam.

Divulgação/Netflix
  1. Problemas da vida real

Independente de qualquer coisa, todos passamos por problemas e dificuldades no decorrer da vida, como bullying, relacionamentos amorosos e familiares, vida profissional, etc. A série destaca diferentes momentos e desafios de ser pai, mãe, marido, esposa, irmão, namorado, amigo ou até mesmo psicólogo. Rola até uma identificação real com os personagens.

  1. Bom humor

Apesar da temática séria, que busca quebrar preconceitos, Atypical consegue ser uma série muito divertida. As cenas com o melhor amigo de Sam, Zahid (Nik Dodani) rendem boas risadas, assim como as interações entre Sam e sua irmã, Casey. Até as situações mais constrangedoras são tratadas com bom humor.

via GIPHY

  1. Atuações brilhantes

Michael Rapaport (Prison Break, Friends) e Jennifer Jason Leigh (Os Oito Odiados) são veteranos da produção e entregam toda a complexidade de seus personagens. Desde o pai, que precisa encarar seus medos para se relacionar com o filho, até uma mãe que tenta ao máximo proteger o filho e acaba cometendo erros no caminho. A revelação fica por conta de Keir Gilchrist, com uma atuação impecável e estruturada, que transparece as dificuldades e a sinceridade, características peculiares de Sam.

Divulgação/Netflix
  1. Trilha sonora e efeitos

A produção utiliza cores, iluminação e efeitos de edição muito bem trabalhados para transmitir as emoções e sentimentos vividos pelos personagens. A trilha sonora, repleta de músicas do estilo indie reforça a leveza da série e deixa a experiência de assistir Atypical ainda mais gostosa.

via GIPHY

Confira o trailer de Atypical:

Agora, é só separar a pipoca com refri para a maratona!

Divulgação/Netflix

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*